Cidades

Governo de Goiás assina contrato para reconstrução de malha viária

Postado em: 19-01-2021 às 16h15
Iniciativa do Fundepec-Goiás, em parceria com a Faeg, investirá R$ 5 milhões no empreendimento | Foto: Reprodução

Luan Monteiro

O vice-governador Lincoln Tejota assinou, nesta segunda-feira (18/01), o contrato com empresas para projetar a reconstrução de 396 quilômetros de rodovias e a construção de 144 metros de pontes de concreto no Estado.

A iniciativa se concretizou após assinatura de termo de cooperação com o Fundo para Desenvolvimento da Pecuária em Goiás (Fundepec-Goiás), que investiu R$ 5 milhões para a elaboração dos projetos técnicos.

A verba foi viabilizada pela Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) e os projetos de engenharia serão doados para a Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra). O objetivo é dar celeridade nos processos de execução das obras. As reconstruções das rodovias vão custar aproximadamente R$ 539,1 milhões. Já para as construções de pontes, o investimento é de R$ 3,8 milhões. 

O vice-governador Lincoln Tejota falou sobre a importância de o poder público estar aberto a parcerias com o setor produtivo. “O crescimento que nosso país precisa ver, que nosso Estado aguarda, vai sair da união. Quem ganha é a população, o produtor, que sabe que vai ter condições de fazer sua colheita, transportar seu animal com eficiência, gerando empregos. Isso muda a vida das pessoas”, destacou.

Para o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos Neto, a parceria tem papel determinante para o desenvolvimento do setor. “Isso proporcionará ganhos e benefícios e nós temos participado ativamente com todo empenho para colher esses bons resultados que virão pela frente”, afirmou.

Já o presidente da Goinfra, Pedro Sales, reforçou que esse tipo de iniciativa ajuda o Estado a entregar as obras de infraestrutura com mais rapidez. “A maior contribuição que o setor privado pode nos dar, neste momento, é o financiamento dos projetos executivos de engenharia, porque ele elimina uma licitação que consumiria um tempo enorme”, explicou. 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar